segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Sistemas de Gestão de Energia

A primeira dúvida levantada em relação a esta questão da energia, e para quem lida e/ou está certificado ou em vias de o ser pela norma internacional ISO 14001 (ou equivalente nacional), é a que é formulada pela questão «tendo identificado aspectos ambientais ligados a consumos incluindo energia (Electricidade, combustíveis, vapor, calor, ar comprimido e outros meios similares) o que poderei ganhar com a adopção de uma norma «pura» de gestão de energia?»

Outra questão, com a recente publicação da ISO 50001, que passa a conviver com a norma europeia EN 16001 é: «afinal que norma devo escolher»?
Um Sistema de gestão ambiental tem foco na:
  1.  Protecção ambiental,
  2. Prevenção da poluição, e na
  3. Gestão de resíduos, enquanto o
 
Sistema de gestão energética tem foco na

  1.  Eficiência energética,
  2. Conservação de energia, 
  3. Gestão de energia,
  4.  Desempenho energético.

Entenda-se: apesar da adopção de um sistema de gestão ambiental poder, em escala indeterminada melhorar a gestão da energia enquanto resposta a qualquer um dos três vectores (focos) acima identificados, a verdade é um Sistema de gestão energética foca mais directa e claramente a questão «energia» e toda a sua gestão.

 Esclarecida que parece estar a primeira questão, vamos então à segunda.

Que norma escolher?
A norma EN 16001 tem como objectivo definir requisitos para estabelecer, implementar, manter e melhorar um sistema de gestão de energia. Tal sistema tem em consideração obrigações legais que a organização deve cumprir e outros requisitos que poderá adoptar. O cumprimento da norma permitirá à organização efectuar uma abordagem sistemática à melhoria contínua da sua eficiência energética.
Esta norma estabelece requisitos para a melhoria contínua, sob a forma de uma utilização mais eficiente e mais sustentável da energia, independente da natureza desta,

sendo que a ISO 50001 (tradução livre) apresenta‑se a especificar os requisitos para estabelecer, implementar, manter e melhorar um sistema de gestão de energia, cuja finalidade é permitir uma organização de seguir uma abordagem sistemática para alcançar a melhoria contínua do desempenho energético, incluindo a eficiência energética, uso de energia e consumo.
Esta Norma especifica os requisitos aplicáveis ​​ao uso e consumo de energia, incluindo
documentação, medição e elaboração de relatórios, desenho e práticas para aquisição de equipamentos, sistemas, processos e pessoal que contribuem para o desempenho energético.

Vê-se pois que, apesar de apresentar diferenças, estas não se adivinham tão notáveis.
Pode então dizer‑se que em grande medida a ISO 50001 tem os mesmos requisitos que EN 16001.
As mudanças mais notáveis ​​são:
1.       Mudança de terminologia (sem diferenças tão significativas nos requisitos);
2.       O aparecimento do requisito da Responsabilidade da gestão como componente adicional na ISO 50001. Não que a EN 16001 não se refira a obrigações da gestão, mas há mais ênfase no papel da gestão de topo;
3.       Os requisitos da norma ISO 50001 colocar maior ênfase na cadeia de valor. Esta é a mudança mais significativa.

É referido prever-se (5) que a actualização para a ISO 50001 a partir da EN 16001 deva ser um exercício para a frente para a maioria das organizações.

Sobre a Integração com outros sistemas, diga‑se que ambas as normas de sistemas de gestão da energia são (muito) facilmente integráveis com outros sistemas de gestão que a empresa já tenha implantado ou deseje implantar (em simultâneo ou no futuro).
Refira-se por fim que os sistemas de gestão (todos, diríamos) são um modo sustentado e sistemático de procurar melhorar, pelo que atitudes-fogacho (mudemos todas as lâmpadas para economizadoras) não sendo de desprezar não resolvem o crescendo do impacto dos custos energéticos nas Organizações, pois este, apresentando a dinâmica que se lhe reconhece, carece de abordagens à altura.

José Cândido, 23-11-2011 - Qualdouro - Qualidade e Turismo - www.qualdouro.com
 


Fontes:
1.        Carvalho, Sérgio - Os Benefícios do Sistema de Gestão de Energia, Setembro 2010;
2.        NP EN 16 001 - Sistemas de gestão de energia, Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização, Julho de 2009;
3.        NP EN ISO 14 001 - Sistemas de gestão ambiental, Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização, Março de 2005;
4.        ISO 50 001 - Energy management systems — Requirements with guidance for use, Junho 2011
5.        NQA - Gap Analysis - BS EN 16 001: 2009 - ISO 50 001: 2011, Agosto de 2011

Sem comentários:

Arquivo do blogue